segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

HAITI

    Foto de Sergio Ranalli


Um fino biscoito de barro
Regado com leite do peito
Na mente a certeza da morte
Revela um futuro perfeito

O sismo da vida arde no ventre
Destino insano rompe a cancela
O choro débil da existência pueril
Ecoa no fundo vazio da panela

O sono analgesia, anestesia,
O torpor da escassez extasia
E a polidez generosa da noite
Traz no sonho infame alegria

Na aridez de um estio pungente
De ignóbeis conveniências mortais
Nem esperanças, nem caridade
E nem o ego brotam jamais

Cai a noite, barriga dói
Faz sofrida a vida de guri
No amanhã um desígnio incerto,
Mas no rosto, a fome sorri...

Má Antunes, 24/01/2011.

2 comentários:

  1. Belíssimas quadras.

    Muito interessante a oscilação entre brancos e rimados. No que tange conteúdo, gostei muito do final e da forma como manteve a agonia sem ser repetitiva.

    Aplausos!

    ResponderExcluir
  2. Obrigada! Os comentários superaram o poema.

    ResponderExcluir